CORI-BR firma colaboração institucional entre registradores de imóveis e o COAF

Na última terça-feira (21/01), representantes do Colégio Registral Imobiliário do Brasil (CORI-BR) estiveram na sede da unidade de inteligência financeira, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), para estabelecer um canal contínuo de comunicação e colaboração institucional entre os Registradores de Imóveis do Brasil e o COAF.

De acordo com comunicado do CORI-BR, durante a reunião, o COAF considerou o CORI-BR como um órgão de supervisão auxiliar, na organização e orientação aos Registradores de Imóveis, nos termos do art. 29, do Provimento nº 88/2019, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), cabendo-lhe divulgar normas técnicas complementares para o cumprimento da normativa.

Na ocasião, foram apresentados alguns detalhes sobre o sistema para elaboração de comunicações. O sistema proposto pelo COAF disponibiliza todas as circunstâncias previstas no Provimento nº 88/2019, sem distinção de especialidade extrajudicial. Mas, ao selecionar a hipótese, o operador preencheria os campos: “data inicial do fato”, “data final do fato”, “cidade”, “UF”, “valor”,“tipo do envolvido” e “número de origem”.

Este último, número de origem, pode ser atribuído livremente pela serventia para identificar internamente a comunicação, podendo ser sequencial ou preenchido com o número do protocolo do título no Registro de Imóveis. Dessa forma, os campos seriam iguais, independentemente da hipótese de comunicação selecionada.

Durante a reunião, os representantes concluíram que o sistema dificilmente produziria bons resultados, pois em caso de transmissões sucessivas do mesmo bem, em menos de seis meses, com diferença entre os valores declarados superior a 50%, é desejável que as datas das duas transações e também ambos os valores declarados sejam informados.

Diante da constatação, foi sugerido que o CORI-BR disponibilize às serventias um sistema uniforme para indicarem e comunicarem em lote de operações suspeitas ao COAF, com formato estruturado que melhor atenda ao interesse público. Outro ponto destacado foi o prazo de um dia para comunicar as operações suspeitas ao COAF, considerado muito curto.

Segundo o COAF, as comunicações devem ser feitas após efetiva análise dos indícios da prática de crime de lavagem de dinheiro ou de financiamento do terrorismo. Além de informar que o prazo de 24 horas é contado depois de finalizada a análise pelos departamentos de compliance.

Sendo assim, a atuação conjunta do COAF e dos Registradores de Imóveis concordou em solicitar ao CNJ que as comunicações suspeitas sejam enviadas até o último dia útil do mês seguinte ao da prática do ato. Em comunicado, o CORI-BR informa que está colaborando com as demais entidades representativas para encaminhar essa proposta e temas gerais, como o cadastro único de beneficiários finais e de pessoas politicamente expostas.

Leia Também


Procedimento da Ação de Usucapião

O Direito Civil compreende a usucapião como forma de aquisição de propriedade móvel ou imóvel pela posse prolongada e ininterrupta, durante o prazo legal estabelecido para a prescrição aquisitiva, suas espécies, requisitos necessários e causas impediti [...]

continuar lendo

Prorrogada MP que regulamenta benefícios e adia Lei de Proteção de Dados

O presidente da Mesa do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre, prorrogou por mais 60 dias a medida provisória que regulamenta o pagamento dos benefícios emergenciais criados para preservar a renda de trabalhadores que tiveram salário reduzido ou contrato de trab [...]

continuar lendo

Provimento nº 105/2020 determina a prorrogação de medidas preventivas

PROVIMENTO nº 105 DE 12 DE JUNHO DE 2020.Dispõe sobre a prorrogação para o dia 31 de dezembro de 2020do prazo de vigência do Provimento nº 91, 22 de março de 2020,do Provimento nº 93, de 26 de março de 2020, do Provimentonº 94, de 28 de março de 2020, [...]

continuar lendo